terça-feira, 19 de julho de 2011

boca azul de céu nos olhos
vento verde de mar nos ouvidos
gosto anis de flor na lapela da boca
vinagre de sal no coração do amor


labirinto rubro no corredor da vida
terra seca no fundo do oceano
natureza calada colada no quadro
na nuca, minha, o zumbido da abelha


o apito doente da pia
o pingo terreno do chão do chuveiro
careta da bagunça da casa do quarto
lá, onde você se entrega


cante ai,
verso na prosa


bilhete no alto dessa musica descomposta.

4 comentários:

Paulo Francisco disse...

Gostei destas cores.
Um abraço

Aninha Zocchio disse...

Parece-me aqui que a entrega tem cores, gostos e sabores, artes e manhas... seus poemas? Um banquete e tanto! :-)

.maria andrade vieira. disse...

nossa! não tenho nenhuma palavra pra dizer agora.

Claudia disse...

Cantei, e foi um canto muito belo =]