sábado, 11 de setembro de 2010

Espalho espelhos pelas minhas mãos
Corro para percorrer o cheiro que exala da minha vida

Espelho a alegria que espalho pelas rodas
que respiro.


3 comentários:

Marcio Nicolau disse...

Raphael, gostei demais de chegar a este ponto aqui. Parabéns pelos reflexos alegres do teu poema circular.

Estou te seguindo agora.

JURA disse...

bonito, sinestésico

Paulo Francisco disse...

Gostei dos textos. Gostei do blog.Te seguirei...