quarta-feira, 13 de outubro de 2010

por todo grão de terra na mão
por todo sol no rosto marcado
por toda força do começo
por toda vida

por todo olhar que avisa
por toda trama enlameada
é hora de partir para a vida

por toda distância
por toda morte
por toda morte da vida
por todo olhar
é pelo horizonte que a vida se faz hora.

4 comentários:

Colecionadora de Silêncios disse...

Olá, Raphael.

Lindo o seu poema! ADOREI!

Beijos

Controvento-desinventora disse...

Nada como um olhar poético. Adorei!

JURA disse...

por toda bela posia que escreves

MAILSON FURTADO disse...

Belo post, belo espaço!

Parabéns, muito bom mesmo!!!

Conheça o meu espaço...
http://mailsonfurtado.blogspot.com