terça-feira, 11 de março de 2008

Quantos anos tenho!?
Ao findar dos meus poucos anos poucos
Finalizo-me para os novos muitos novos que virão
Que erros passados
Tornem-se concordâncias futuras
Amores existidos, amores flutuantemente futuros.

Ao começo dos meus novos anos
Transforme-se ser em humano
(ou mais humano)
Deixe que atos ainda resquícios
Perdurem apenas na lembrança do coração

Aos olhos nus da vida
Encontre no horizonte de viver
Apenas o que se pode enxergar da felicidade

E que sorrindo
Leve comigo
Tudo aquilo que o bem me traz.

5 comentários:

guianafrancesa2005 disse...

"Que erros passados
Tornem-se concordâncias futuras"

Amém!!!

Um poema futurístico e bem lindo!!!!

bjs!Gisele
www.inventandoagentesai.blogspot.com

Si disse...

Rapha, esse post está com cara de aniversário. Sendo ou não, que seus dias sejam repletos de sorrisos e poesias.

Beijos.

Andreia disse...

Oi! Encontrei seu blog no Subterfúgio. Amei este post!

Beijos!

CeiSa MartinS disse...

Que assim seja...

Amém!

Pitango disse...

E assim a gente deve levar a vida! =)

Abço.

http://lenfantdeboheme.blogspot.com/