sábado, 11 de julho de 2009

Disponho de gozo

Coço o osso

Desperto as flores vermelhas do caminho onde piso

Ouço o silêncio das outras folhas ao redor

Passo o descompasso

Dos meus pés

Ao tocarem o chão

E faço-os ossos doloridos

Que falam e expressam

Sentimentos ininteligíveis

Gozo o que disponho

Já nascem folhas verdes em meio às pétalas vermelhas

Essas que caem para os passos passados.

3 comentários:

juranha disse...

belíssimo poema
abraços

Patrícia Lage disse...

Ah, que lindo!
Lindas imagens, as sinestesias, quase pude ouvir os sons das pétalas caindo.

Beijos, Rapha poeta.

Pitango disse...

Sempre poético blog.

Abço
Pitango