segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

e assim, por hora,
de quando em quando,
eu estiver com disposição para amar
vou me desvencilhar da solidão,
para com a cabeça entrar no tufão.

ter coragem,
para de quando em quando
eu quiser amar mais, passarei pelos temporais.

agora estou à vista da calmaria,
e de lá não posso ver a solidão,
nem o amor.

estou à companhia própria,
de tudo que esperei do amor,
de bom, só me restou a solidão.

3 comentários:

Pâmela Marques. disse...

E eu pensava que nenhuma palavra me traduziria, no estado que me encontro hoje, até te ler.

Doce.

Anônimo disse...

belos veros, meu veio
JURA

Maria Andrade Vieira disse...

q coisa mais linda