quarta-feira, 18 de junho de 2008

É o meu ponto de partida
É o meu pôr-do-sol
É o meu porto seguro
É o meu ponto de estada
É o meu ponto de sossego
É o meu ponto de aceleração
É o ponto alcance
É o meu ápice de paixão
É o meu caminhar
É o meu passo
É a iluminação que clareia a minha estrada
É a morada do meu amor
É o pulsar do meu sentimento
É a vitória-régia da minha paisagem
É o ponto de areia onde estou
É o ponto à beira-mar onde contemplo
É o horizonte do meu futuro
É o ponto que desejo
É, novamente, a morada do meu amor
É o sorriso da minha gargalhada
É a risada da minha inocência
É a esperança nunca adormecida
É o meu verso na minha poesia
É o silenciar da minha prosa
É o fazer-me completo
É o meu ponto de chegada.

4 comentários:

Patrícia Lage disse...

É tanto... É intransitivo.
Adorei, adorei, adorei.
É uma delícia ler teus versos. É, o blog, um ponto essencial pra mim.
:)

Poeta amigo, meu beijo.

Pitango disse...

Sim, sempre mto bom ver seus escritos! E é impressão ou há alguma paixão no ar?

Abço,
Pitango
http://www.lenfantdeboheme.blogspot.com/

Foguinho disse...

É assim, meio assim,mas meio sem fim.

Kiara Guedes disse...

Entendi seu ponto. De minha vista... Será que seria o mesmo do seu? rs