quinta-feira, 24 de julho de 2008

O meu amor tem limite
É convexo e desconversa.
Tem alma de exagerado e corpo que afaga
O meu amor sabe colocar ponto final no começo, meio e fim.
O meu amor não sabe amar
Despreza o possível
E afia o leal
Glorifica o tempo
É um cativeiro ambulante
O meu amor tem o pensamento da cor do sorriso dela.
Incendeia o gosto amargo de não saber amar.



“Quando o amor tem mais perigo
Não é quando ele se arrisca
Nem quando ele se ausenta
Nem quando eu me desespero
Quando o amor tem mais perigo
É quando ele é sincero.” - Cacaso

Um comentário:

Patrícia Lage disse...

Queria o meu amor assim... Mas o meu amor nunca tem limite.

:)
O poema, a referência ao Cacaso... tudo lindo!

Beijos!