sábado, 21 de agosto de 2010

Clara manhã, amanhã
desperto esperto
clara gema do sol entrando pelo quarto escuro
claro, clareia amanhã a minha manhã.

Cara clara,
cala-te para ouvir teu som
Cara vida cara,
seja apenas vida clara.

Cara dor,
durma esperta quando desperto.

Claro amanhã, a manhã
à manha te espero:
para seguir em frente, absorto da vida cara
sendo, novamente, apenas vida.

5 comentários:

Ta Andrade disse...

Rapha Buarque!!! Como vc esta no estilo do Chico... me encanta! =)

Maria Vieira disse...

aliterações e assonâncias de raphael.

JURA disse...

aquele seu novo estilo musical, ótimo

PRECIOSA disse...

AMEI, conhecer seu blog...
te sigo com carinho, estarei a visitar sempre....
ótima semana...
Preciosa Maria

Marcio Nicolau disse...

deClaro admiração pela tua escrita. Agradeço a tua visita no InterTextual e espero que volte mais vezes, intensiFicando a poesia em nós.

Um forte abraço e obrigado pelas palavras.