sábado, 14 de agosto de 2010

ela - Apresenta-me a vitrine ou é humano enrolado?
ele - Apresento-te a vitrine mas o humano é demasiadamente enrolado.
ela - Prefiro conhecer o enrolado demasiadamente.

ele - Então sobreponha o escuro aos seus olhos: apresento-te a lua luzidia nos paralelepípedos, apresento-te eu enrolado no seus cabelos, apresento-te minhas mãos no seu rosto, apresento-te salvo conduto do mundo, apresento-te preso à imagem da vitrine e junto à essa prisão a sua imagem, apresento-te uma taça de vinho e uma música para dançar de pés juntos a dois ou a quantos personagens conseguirmos criar, apresento-te um ser humano em demasia enrolado, não querendo enrolar ou talvez apenas cantar no seu ouvido para gradativamente te fazer dormir.

4 comentários:

Maria Vieira disse...

inevitavelmente, meus cachos enrolam a cintura das taças q oferece... e essas uvas pisadas, os meus versos, oq é oq agora? interessa pouco...

america disse...

oba! um blog aqdorável
parabens

Patrícia Lage disse...

Genial, Rapha!
Desses diálogos que valem a vida.

Beijos!

Leonardo Petersen Lamha disse...

Olá, Raphael.

Muito obrigado pela visita ao meu blog. De verdade.
E só queria dizer que "Rio para desaguar" foi incrível e me deixou abasbacado.

Abraços!