sábado, 31 de outubro de 2009


E com aqueles olhos de Capitu você me olhava enquanto dançava, passava os pés no chão com folhas secas espalhadas, caídas do vento de outono. Seu vestido preto bordado com rosas vermelhas e a renda que sustentava seus seios faziam-me hipnótico perante aquele par de pernas circulares entre o marrom claro das folhas. Nos meus olhos havia mar, os quais pelos seus perdia o ar para amar. Havia tempo e falta de tempo nos momentos em que cruzávamos os olhares. Você me pedia para dançar junto. Meus pés não queriam voltar para o chão. Estava bailando com alma. Sentia outras folhas caindo pelos meus ombros, as árvores em volta faziam de mim verão e de você primavera. Fazíamos do outono nossa primavera. Toda a tristeza presente no céu de cores foscas você o transformava com apenas seu sorriso. Eu ficava parado, mas em meu peito meu coração pulsava ao sabor da música, ao movimento da sua perna, dos seus pés. Não me cansava, só dançava, dançava, dançava...

3 comentários:

Katrina disse...

Do tipo de dança em que se trasformam na própria música

JURA disse...

bela prosa poética

Pitango disse...

Lindo, Raphael!