quinta-feira, 15 de outubro de 2009



intempestivo e louco
bravo e brando
branco e cravo
no teu ventre o meu colo
calma e distância
longevidade e saudade
você
para o meu dia bastar
a minha tarde descansar
e à noite me perder.
Para bastar o meu dia.

8 comentários:

juranha disse...

poeta, maluco, desventurado e o mar

Katrina disse...

A calma se esconde no ventre, mas o que eu gosto mesmo é o que acontece depois de tanta calma

Renata. disse...

...alguém pro dia bastar.

:)

Simplesmente Outono disse...

Ando com uma pressa absurda de ser feliz o quanto antes. Na verdade já era para estar sendo...
Tive calma e paciência demais.
Algumas folhas secas desta estação.

Wilson Torres Nanini disse...

Orides Fontela disse: meia luz, meia palavra, meia vida. Não Basta?

Pitango disse...

Que lindo esse poema, Raphael!

[ rod ] ® disse...

um dia assim sem o poder do encontro não tem sentido... abs meu caro.

Patrícia Lage disse...

Ando me bastando com bem menos que isso. Sabe?

Mentira.

Meu beijo, amigo poeta.