quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Em certos momentos tenho a convicção que a vontade que existe dentro das minhas idéias de mudar, ou querer mudar o mundo são ilusórias. Não sei bem ao certo quem está com a certeza, se são as pessoas erradas ou as certas. Sempre tive, por mais monótona que fosse a minha inventibilidade, de que não fazer as coisas com normalidade seja o além óbvio. Não sei por que, mas as coisas e as pessoas que são normais não tem sempre o direito e a pronuncia de mudar algo como quanto as pessoas que não são normais. Ter um pouco de loucura e ousadia é algo magistral para levar isso que chamamos de vida. Eu vejo árvores verdes no meio de tantas que estão secas. Será que esta que está com suas crias ainda verdes lutou para sobreviver neste céu azul? Ela ousou ou teve apenas sorte? Será que todas as pessoas e as coisas que estão presentes no mundo não são propícias a aceitarem o que a sociedade impõe? É complicado. Há tanta desonestidade e tanta infidelidade que é difícil hoje ser um normal. “Eu juro que é normal não ser um normal” já dizia a música dos Mutantes. Então pensando por esse modo e até mesmo a música nos faz pensar assim, não é melhor buscarmos ser o nosso próprio Deus? Uma palavra certa para a vida é ousadia, que ao seu avesso, a covardia, nos deixa com mais heroísmo para conquistar o que desejamos. Infelizmente, isso subestima os normais. O normal não ousa, muito menos enxerga além do óbvio. É isso, se de louco e médico todo mundo tem um pouco, acho melhor ser louco principalmente. Mas não com insanidade!


“Todos somos iguais na capacidade para o erro e para o sofrimento. Só não passa quem não sente; e os mais altos, os mais nobres, os mais previdentes, são os que vêm a passar e a sofrer do que previam e do que desdenhavam. É a isto que se chama a Vida.” – Pessoa

3 comentários:

eupatriciamesmo disse...

Que ótima reflexão, Rapha!
Eu sinceramente estou quase descartando aquela antiga vontade de transformar o mundo. Tenho muito o que cuidar do mundo dentro de mim, né?! Todos nós.

E quanto à normalidade, penso assim como vc. Considero anormal ficar normal à tanta atrocidade acontecendo aqui, ali e em todo lugar.

Estava retomando umas velhas leituras e encontrei isso:
"Quem conhece verdadeiramente o mundo, chora; quem ri ou não chora, não o conhece."
Pe Antônio Vieira
Se no tempo dele, propagava essa noção... imagine seo o seu tempo fosse o de agora?!

beijos, queridíssimo!

eupatriciamesmo disse...

de novo!

Londres!
Londres.

eu estou querendo sumir...
inteiramente
subtamente
imediatamente

só vc entende, bora?
:)

Si disse...

O normal hoje é ser passivo. Ainda bem que restam alguns loucos e ousados que não aceitam as coisas como estão.

"Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca”.
Darcy Ribeiro

Gostei daqui. Ótimas reflexões.